Os caça-fantasmas PDF Imprimir e-mail
20-Jan-2009

c.jpgAtribuir ao interlocutor ideias contrárias às que ele defende é uma táctica com alguma eficácia no debate mediático, onde o "soundbyte" é rei. Convenhamos que um debate entre moções do Bloco de Esquerda deve exigir de todos nós maior profundidade na análise e resposta política.

Texto de João Delgado, Subscritor da Moção C 

Vem isto a propósito de um artigo assinado pelo nosso camarada Jorge Costa no Debates 2, onde me atribui a "proclamação fantasmagórica de um governo alternativo", prosseguindo que o  "Bloco não pode responder às dificuldades das lutas populares semeando ilusões eleitoralistas e dizendo à população que tudo se resume a correr para um governo que não existe", nem "dizer aos trabalhadores que podem esperar pelas eleições e contar com um futuro governo que os vai salvar".
Esta interpretação de Jorge Costa foi replicada nos debates distritais do passado fim-de-semana, sintetizada numa ideia simples, mesmo simplória, a de que a Moção C defende um governo PCP/BE na sequência das eleições de 2009.
Esta teoria é tão despropositada, e tão falha de sustentação no que temos afirmado, que não há outro modo de repor a verdade além da reprodução do que já escrevi neste mesmo espaço , ou seja, a minha (a nossa) convicção de que "Cavaco Silva dará posse a um governo do partido mais votado – que tudo indica será o PS" e que, mesmo que as lutas sociais venham a derrubar esse governo, serão formuladas "outras hipóteses, com participação do PSD e/ou PP, em nome da 'governabilidade' do país". Em lado algum, portanto, colocámos a hipótese de resultar das eleições de 2009 qualquer governo de convergência à esquerda, porque isso seria, certamente, do domínio do onírico.
Facto diverso é a análise dos acontecimentos que nos trouxeram a esta situação de inevitabilidade de um governo PS, ou, em alternativa, da direita, mas essa linha está já formulada claramente no texto da Moção C, e penso ser desnecessário voltar a ela. Deixando aqui aos bloquistas, que não tenham ainda tido oportunidade de ler a nossa moção, a certeza de que o que defendemos, em termos de princípios, foi uma convergência eleitoral entre o Bloco de Esquerda, os sectores à esquerda do PS e o PCP, com suporte nos movimentos sociais, particularmente no movimento dos trabalhadores e na CGTP.
Deixando bem claro, mais uma vez, que essa convergência está impossibilitada para o futuro próximo, porque não houve das partes vontade de a construir, sendo que não confundimos a actuação da direcção do Bloco, que procurou pontes com os socialistas de esquerda e com algumas figuras da área comunista, não confundimos, dizia, com a posição do PCP que, ao contrário, se fechou sectariamente, pretendendo ser a única esquerda consequente, que manifestamente não é, até porque se recusa ao diálogo.
Para os que insistem em que temos uma obsessão com o PCP, lembremos que em momento algum apresentámos ou defendemos uma convergência reduzida a esse partido, tal como não aceitamos uma convergência direccionada, em exclusivo, à área socialista. A nossa ideia de convergência é ampla e não sectária, incluindo todos aqueles, sem excepção, que à esquerda defendem políticas alternativas e transformadoras.

 

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Esquerda.netsite do Bloco de Esquerda

vê aqui o deBatEs 1ver deBatEs #2

  ARTIGOS PUBLICADOS
30 de Janeiro  - Democracia Interna e Política - José Guilherme Gusmão
27 de janeiro . “Acordos de Lisboa” versão 2009 (e também 2010) - Cristina Portella e João Delgado
26 de Janeiro - A diferença deve ser a prática não a teoria... - Albertina Pena
26 de Janeiro - A identidade ideológia do Bloco  de Esquerda - Ferreira dos Santos
24 de Janeiro - A força do Bloco para os trabalhos mais difíceis - Francisco Louçã
21 de Janeiro - As confusões e as cabeças - Victor Franco
19 de Janeiro - Os caça fantasmas - João Delgado
16 de Janeiro - O Futuro passa por aqui - Isabel Faria
16 de Janeiro - Política ou como a forma molda o resultado - Helena Carmo
16 de Janeiro - Pau Pau Pau - Margarida Castro Felga
12 de Janeiro - Precisa-se: Intervenção sindical combativa - João Pascoal
12 de Janeiro -Da guerra, da política e das palavras (PARTE II) - Miguel Portas
11de JaneiroEleição de delegados ou "primárias" - António Sequeira
9 de Janeiro - Da guerra, da política e das palavras (PARTE I) - Miguel Portas 
8 de Janeiro - Metamorfoses e transformação - Luís Fazenda
8 de Janeiro - Sem participação não há democracia - Isabel Faria 
3 de Janeiro - Debates, consensos e outras conveniências - Teodósio Alcobia
3 de JaneiroConserto institucional à margem dos povos - Paulo F. Silva

© 2018 VI Convenção Nacional do Bloco de Esquerda